Combustíveis alternativos

Quando falamos de motores, potência e desempenho, um ingrediente é essencial: o combustível.
Muito além dos combustíveis que conhecemos no dia a dia, como a gasolina, o diesel e o álcool, a FPT Industrial trabalha com alternativas para garantir eficiência, sem prejudicar o meio ambiente.

Assista ao vídeo do nosso especialista Gustavo Teixeira e conheça um pouquinho mais sobre combustíveis alternativos como o Biometano e sua aplicação no mercado brasileiro com a parceria entre FPT Industrial e New Holland.

Dê o play e curta mais um Papo com Potência.

Diferenciais do Motor FPT Cursor 13 – pódio no Rally Dakar 2016 e 2017

Uma das principais competições automobilísticas do mundo, e considerada a mais longa e difícil prova de rali, o Rally Dakar exige alta performance, resistência e grande potência dos motores que equipam os veículos participantes. Em 2017 a FPT Industrial participou pelo sexto ano consecutivo da competição, e o motor Cursor 13 garantiu a terceira e quarta colocação para holandês Gerard De Rooy e o argentino Federico Villagra, respectivamente.

Em 2016, o competidor de Rooy, da equipe “Petronas Team De Rooy Iveco”, com o caminhão Powerstar 501 equipado com motor Cursor 13 com 900 cv, conquistou o primeiro lugar da competição. Outros três pilotos que correram neste ano com caminhões equipados com o Cursor 13 conquistaram posições de destaque no top 10 do ranking geral. Os pilotos Frederico Villagra, Ton Van Genugten e Pep Vila ficaram em 3º, 5º e 10º lugar, respectivamente.

Para aplicação no Rally Dakar, os motores recebem uma preparação especial no Centro de Pesquisa & Desenvolvimento da FPT em Arbon, Suíça. Fazendo uma comparação, o motor Cursor 13 para uso comercial, utilizado no veículo IVECO Stralis Hi-Way, possui 560 hp e torque máximo de 2.500 Nm. Baseado nessa diferença observada fica fácil perceber que os motores destinados a equipar caminhões que estão no Dakar são desenvolvidos e preparados para esta competição e situação extrema da aplicação.

A linha de motores Cursor 13 traz como características a alta confiabilidade, robustez, potência e rápida resposta, além do respeito ao meio ambiente, presente na tecnologia Euro VI. A seleção da nova geração do motor Cursor 13, de 13 litros, com o hardware da versão Euro VI, permitiu a entrega de 900 cavalos de potência, com torque máximo de 4000 Nm a 1000 rpm. O propulsor com 6 cilindros em linha combina as mais avançadas tecnologias, incluindo a segunda geração do sistema de injeção HD Common Rail, que proporciona mais de 2.200 bar de pressão e garante força e potência para os caminhões.

Twin Turbo e Biturbo: diferentes ou semelhantes?

Carros turbos estão aí desde 1960, mas demorou certo tempo para que fizessem verdadeiro sucesso. Hoje, os turbos estão em todos os segmentos do mercado automobilístico e com isso começaram a surgir diversas discussões sobre Twin turbo e Biturbo.

O blog da FPT explica como entender a diferença – ou a semelhança – entre esses dois. Basicamente, o Twin (“Gêmeo”, em inglês) possui duas turbinas idênticas em forma e função, enquanto no Biturbo, as duas turbinas não são idênticas. Ou seja, Todo Twin Turbo é Biturbo, mas o Biturbo não é Twin.

As duas turbinas ajudam no ganho de grandes potências em curto espaço de tempo. Quanto maior o turbo, maior será a pressão de trabalho, mas também levará mais tempo até que o rotor vença a inércia e o turbo comece a comprimir o ar (o que chamamos de “encher o turbo”). Esse tempo é o chamado “turbo lag” ou “retardo no acionamento do turbo”. Para resolver esse inconveniente você pode usar um turbo menor, mas ele terá limitação física, podendo prejudicar o desempenho em altas rotações.

Hoje em dia já existem várias tecnologias desenvolvidas para redução do lag, mas, há 40 anos, quando os turbos começaram a ser adotados em carros de corrida e modelos esportivos de rua, a tecnologia ainda não era avançada o suficiente, então era impossível combinar lag reduzido a alta pressão e potência. Para obter uma alta pressão de trabalho e reduzir o lag, a solução encontrada pelos engenheiros dos anos 1970 foi adotar um sistema com dois turbos em vez de apenas um. E assim, chegamos aos famosos “Twin turbo” e “Biturbo”.

Agora já deu para entender a diferença entre os dois, certo?

Então compartilhe com seus amigos nas redes sociais.

Óxido nitroso, nitrox ou nitro?

Você já ouviu falar sobre óxido nitroso?

Provavelmente sim, mas não com esta nomenclatura.

O óxido nitroso ou protóxido de nitrogênio, apresentado na fórmula química N2O, é um gás incolor e não inflamável, que serve para aumentar de forma instantânea a potência do motor de um carro. É bastante conhecido, principalmente no meio automobilístico, porém, é chamado apenas de “nitro”.

O nitro (ou Nitrox) é utilizado em motores de combustão interna. Assim como a turboalimentação, a injeção de óxido nitroso nas câmaras de combustão tem como objetivo elevar a massa de oxigênio injetada. Neste caso, o óxido nitroso diminui o aquecimento da câmara de combustão, fazendo com que uma quantidade maior de mistura ar-combustível seja injetada na mesma. Isto permite queimar maior quantidade de combustível numa mesma câmara de combustão.

Nos motores a álcool ou gasolina, a produção do movimento começa pela queima de combustível nas câmaras de combustão. Essas câmaras contém um cilindro, dois kits válvulas (podendo ser 2, 4 ou mais válvulas por cilindro, dependendo do fabricante) – um kit de admissão e outra de escape – e uma vela de ignição. O pistão que se move no interior do cilindro é acoplado a biela que se articula com o virabrequim. O virabrequim ao girar faz com que o movimento chegue as rodas através do sistema de transmissão do carro.

O óxido nitroso pode ser vendido em forma de kit ou por peça, geralmente o kit básico acompanha: um cilindro, solenóides, mangueiras, bicos injetores (foggers) e peças para acabamento, sendo o cilindro a peça de destaque.

Ao contrário do que se pode imaginar, o nitro não explode. Pelo contrário, o óxido nitroso é muito utilizado na área médica e na odontologia. Administrado, juntamente com o oxigênio, possui efeito analgésico e sedativo. Em anestesia geral, a adição de óxido nitroso ao oxigênio permite uma redução da quantidade do agente anestésico mais caro, obtendo-se o mesmo efeito. O óxido nitroso, apesar de fornecer oxigênio, não é um comburente por si só. Portanto, ele é inerte em condições de temperatura e pressão ambientes. Em caso de vazamento ou acidente com o cilindro, mangueiras, ou mesmo falhas, o nitro não oferece riscos.

Para resumir todo esse processo, podemos explicar a funcionalidade do nitro em 3 fases:

1. Resfriamento da mistura admitida, o que aumenta a massa de mistura na câmara de combustão;

2. Combustível e mais oxigênio nos cilindros;

3. Resfriamento das câmaras de combustão do motor (nitrogênio).

Por fim, é importante dizer que o nitro pode ser usado em qualquer carro, então há a vantagem de trocar de carro e reinstalar o kit. O único acerto a ser feito seria a substituição dos giclês (jets), para o acerto de mistura óxido nitroso e combustível.

Gostou do nosso texto? Deu para ter uma ideia melhor de como funciona o famoso nitro?

Então deixe seus comentários, dúvidas e sugestões abaixo.