Superaquecimento: Causas, cuidados e os porquês.

Manutenção é fundamental. Isso você já sabe. Mas ainda assim, mesmo com tudo em dia e você tendo o maior cuidado e carinho com sua máquina, pode acontecer de alguma coisa acabar impedindo o motor de absorver, transferir e eliminar calor. Essa breve interrupção de troca de calor com o ambiente externo pode acontecer enquanto você cruza as estradas, rasga os campos ou desbrava o canteiro de obras. E, por isso, abaixo explicamos algumas causas comuns e cuidados.

O líquido de arrefecimento é essencial para manter o funcionamento do motor em temperatura ideal. Já checou o nível hoje? Mantenha as proporções corretas de aditivo e garanta não só a temperatura correta, mas também a vida útil do seu motor.

Baixo nível de óleo também é mau sinal, troque na frequência certa e não reutilize óleo antigo.

Os radiadores e muitos outros componentes do motor são prejudicados pelo superaquecimento. O cabeçote geralmente tem sua tampa queimada e/ou rachada, sem falar nos cilindros que acabam sendo deformados.

Então, fique atento:

  • Fumaça de cores claras ou vapor saindo do motor;
  • Avisos no painel de caminhão ou máquina;
  • Ar quente saindo pelas saídas de ar condicionado e ventilação podem ser sinais de aquecimento. Atue imediatamente e evite maiores problemas.

Tem alguma outra dica? Compartilhe com a gente.

 

Como será o motor do futuro?

Aqui na FPT a inovação é palavra de ordem. Estamos sempre debruçados sobre estudos, análises e testes que consigam entregar desempenho, eficiência e economia.

Na fábrica de Sete Lagoas, Minas Gerais, são produzidos os motores F1 e NEF e é lá que algumas evoluções de cada uma dessas linhas ganhou forma.

Com essas evoluções em mente, como seria o motor do futuro? Que tipo de combustível ele vai consumir, como ele vai garantir desempenho e economia, em quais condições de proteção ao meio ambiente eclético será produzido? Listamos abaixo algumas tendências que podem virar realidade em breve, para todos os segmentos automotivos.

AUTONOMIA DE CONDUÇÃO

Marchas, aceleração, demanda de torque, ativação de turbo e outros recursos podem não depender do condutor. Com alta tecnologia embarcada, os motores serão capazes de identificar falhas e oportunidades de desempenho durante os trajetos e assim, autorregular seus índices.

Combustíveis alternativos

Você não conhecem outros combustíveis além do diesel? Essa agonia pode acabar em breve. Marcas famosas de automóveis já vêm testando soluções para que nossos veículos do futuro precisem de uma carga (possam ser recarregados) para sair rodando por aí, assim como seu celular.

PESO

Os motores são máquinas naturalmente pesadas, dado o seu volume de materiais, sistemas e proteções. No futuro, materiais mais resistentes vão tomar o espaço dos tradicionais aço, cobre, latão e outros. Além de baratear a produção, essa perda de peso vai garantir menos consumo de combustível e mais agilidade e facilidade de manobra. (A FPT já está em constante trabalho para utilizar na sua gama de motores o que há de melhor em relação a ligas metálicas. Por exemplo, nossos motores F1A e F1C já nasceram com cabeçotes de alumínio, o que não só reduz o peso do motor, como também melhora a troca térmica)

Quais são os seus palpites quanto ao motor do amanhã? Deixe seu comentário 🙂

  1. Nanotecnologia: Utilização de fluidos e materiais com nanotecnologia embarcada para reduzir a valores próximos de zero as perdas de energia por atrito
  2. Smart Systems: Utilização cada vez maior de sistemas inteligentes acoplados ao motor que, acionados sob demanda, permitem reduzir a perda de energia. Ex: Smart Alternator, Start Stop…