Cursor 13 da FPT é destaque na Africa Eco Race e Rally Dakar 2018

A FPT tem um apreço especial pelas corridas, por isso, dedica parte de sua produção para criar soluções para a área, tanto que está participando de dois dos mais famosos ralis de 2018: o Dakar e o Africa Eco Race. A marca está fornecendo quatro motores Cursor 13, desenvolvidos especialmente para os pilotos das equipes competidoras da IVECO, e também participa como patrocinadora técnica das equipes nos eventos.

A Equipe Petronas de Roov IVECO ingressou na corrida com cinco caminhões Powerstar. Gerard De Rooy, líder da equipe, e Wuf Van Ginkel participam do Africa Eco Race, enquanto Artur Ardavichus e Ton Van Genungten marcam presença no Dakar.

Sobre o Cursor 13

Os veículos são equipados com a versão de 13 litros do Cursor 13 que é reconhecida por sua confiabilidade em missões de longa distância na estrada, assim como em aplicações agrícolas, em tratores e colheitadeiras.

Porém, para as pistas, os propulsores foram trocados e desenvolvidos para atingir uma potência máxima de até mil cavalos. Os componentes comprovaram sua força e desempenhos superiores, conquistando os terrenos mais desafiadores, também nas edições anteriores do Dakar.

Geração de energia

Além de estar dentro dos caminhões, a FPT também está marcando sua presença no Dakar como geradora de energia. A marca fechou uma parceria com a fornecedora oficial do evento, a Himoinsa, para disponibilizar equipamentos nos acampamentos dos competidores. Serão oito conjuntos de geradores HPCW-500 D5-6 Power Cube, com motores FPT C13TE7. Pelo fato de serem de dupla frequência, eles poderão operar nos acampamentos do Dakar, no Peru, com 60 Hz, assim como na Argentina e na Bolívia, onde os geradores estão funcionando a 50 Hz.

E, aí? O que você está achando das disputas? Comente aqui abaixo para quem vai a sua torcida!

Tendências em tecnologia de motores

Vai chegando o final do ano encontramos diversas listas sobre desejos, votos e novidades esperadas para o próximo ano. Mas nunca achamos uma que fale sobre as tecnologias e sistemas que envolvam os motores. Será que não existem?

Fique tranquilo! A FPT adianta sua lista, consulta seus especialistas e elenca quais serão as principais tendências da área em 2018 e o que você pode esperar de inovação para a área. Vamos lá?

Combustíveis alternativos

Há pouco tempo, a FPT europeia lançou seu motor Cursor 13 movido a gás, o que representou um grande avanço na área, já que é um motor potente que consegue um bom desempenho operando com um combustível alternativo.

Acredita-se que nos próximos meses ou anos, os motores, dos pequenos aos grandes, contarão com uma tecnologia avançada capaz de utilizar biometano, GLP, GNV, entre outros, sem perder potência e garantindo uma baixa emissão de gases nocivos ao meio ambiente.

Sistemas híbridos

Em questão de sistemas, espera-se conversão e conectividade entre sistemas que utilizem diversas fontes. Por exemplo, o veículo terá um painel solar para captar energia solar e uma bateria acoplada ao motor para gerar energia para o ar-condicionado, para o painel, etc.

O motor será versátil com tanques especiais, como a diesel, biometano, entre outros, sendo capaz de operar com os diversos tipos de combustíveis existentes. Além disso, a transmissão também será inteligente, podendo atuar tanto de forma elétrica quanto mecânica, tendo uma tecnologia que a faça oscilar para achar a melhor condição de operação.

Motores e funcionalidades versáteis

Como citado acima, os motores serão bem adaptáveis a diversos tipos de combustível. Mas não é só isso! Já há pesquisas em desenvolvimento para garantir que um motor seja capaz de operar em várias frentes de trabalho.

Por exemplo, um trator que possa variar de 100 a 300 cavalos, sendo sua potência selecionada pelo operador, garantindo melhor desempenho e controle do veículo, transformando-o em uma máquina multitarefas. A ideia é que essa transição ocorra com um clique de botão. Muito bacana, não é?

Motorização

A ideia é continuar seguindo o conceito “down size”, ou seja, reduzir cada vez mais o tamanho dos motores, mas garantindo sua potência, que eles sejam mais eficientes e que possuam baixa fricção.

Já no caso dos motores maiores, eles ficarão ainda maiores! Mas calma! Isso acontecerá porque eles terão mais tecnologias inseridas para garantir durabilidade e um bom desempenho em várias áreas, como agricultura, construção, etc.

Sem eixo de comando

No futuro, os motores darão “bye, bye” para o eixo de comando. As válvulas serão acionadas através do solenoide eletrônico, o que acarretará uma diminuição no peso do motor. Além disso, elas possuirão o mesmo sistema de abertura do sistema para a ingestão de combustível.

Bom, essas são algumas das novidades em que os engenheiros e especialistas estão trabalhando nos últimos anos e pretendem ser um diferencial em 2018. Quem sabe no próximo ano faremos um texto analisando o impacto dessas tecnologias no setor?

Gostou do texto? Não esqueça de deixar seu comentário!

Pintura de motores marítimos

Engana-se quem acredita que motores são todos iguais e servem apenas para gerar energia e força. Dependendo da sua função, eles possuem uma estrutura, peças e até um design diferenciado para garantir a segurança e o desempenho do equipamento que estão instalados.

Os motores marítimos são um exemplo! Sua pintura possui detalhes especiais e interessantes que fazem um item a ser explorado. Ficou curioso? Siga as perguntas abaixo e esclareça as dúvidas relacionadas a esse tema!

As tintas dos motores marítimos possuem componentes diferenciados?

Sim, como os motores ficam em ambientes salubres, principalmente por causa da maresia, eles recebem uma tinta epoxi cuja a composição é diferente de outro tipo de motores. Elas possuem propriedades anticorrosivas para garantir a durabilidade dos equipamentos, já que sabemos que a combinação de umidade + sal + metal = ferrugem.
Além disso, elas suportam altas temperaturas, sendo um mecanismo de segurança, já que serve de barreira (até determinada temperatura), evitando vazamentos de líquidos inflamáveis.

Por que os motores marítimos da FPT são claros?

O ambiente onde os motores estão situados, porões, proas, casa de máquinas tendem a ser pouco iluminados. Assim, quando o tom do motor é claro, fica mais fácil identificar algum problema como corrosão ou líquidos. É considerada como mais uma medida de proteção.
Também facilita na hora de limpar o equipamento.

E o design?

Claro que o fator de design também é considerado na hora de escolher a cor! A tintura é algo que vai além da proteção, sendo a estética uma preocupação dos engenheiros da FPT na hora de desenvolver um novo produto. A opção pela tinta branca é uma delas!
Confira aqui abaixo como as cores impactam na beleza do motor:

O que achou? Não deixe de postar seu comentário aqui abaixo e compartilhe nas redes sociais.

Conheça o motor N67 MAR-I/Tier 3 presente no pulverizador Defensor 2500 da New Holland

A New Holland Agriculture lançou o pulverizador Defensor 2500 equipado com o motor N67 MAR-I/Tier 3 da FPT Industrial que possui 175hp e 6 cilindros, além da tecnologia Eco Cruise, que aprimora o aproveitamento do diesel, gerando mais energia. Esse motor roda mais leve e com uma resposta do sistema de tração muito mais rápida do que a concorrência.

As melhorias não param por aí. Com o N67 MAR-I/Tier 3, o operador do Defensor 2500 terá uma tração com respostas mais rápidas, gerando mais precisão aos movimentos mesmo em vazões mais baixas, graças às nove seções de comando, bomba PWM e válvula de restrição de fluxo para baixo volume. E o melhor de tudo isso: sem barulho devido a um silenciador que elimina os ruídos do motor.

A gestão da velocidade é fundamental para qualquer máquina, pois influencia diretamente no resultado do tempo em que  máquina vai trabalhar e na eficiência do serviço realizado. Nos testes realizados pela FPT, o N67 MAR-I/Tier 3 apresentou aumento de 15% na velocidade do pulverizador. Isso significa que o operador terá mais controle do equipamento na realização do trabalho em terrenos e relevos diversos.

Com o novo motor N67 MAR-I/Tier 3, a FPT Industrial prova que a inovação tecnológica está em seu sangue, e ela tem reflexo imediato na produtividade do equipamento no campo. Tanto pela inserção do EcoCruise, como pelas inovações de precisão, o novo conjunto desenvolvido para o Defensor 2500 é o mais eficiente da categoria.

FPT estreia espaço próprio e leva novidades à Fenatran

Pela primeira vez, a FPT apresenta um estande próprio e uma gama de novidades para o ramo de transporte durante a Fenatran, o Salão Internacional do Transporte Rodoviário de Carga. Considerado um dos maiores e mais completos eventos voltados para toda a cadeia do transporte rodoviário de carga da América Latina, a Fenatran é uma grande oportunidade de mostrar as inovações para o público.

Motores e tecnologias expostas

O grande destaque está sendo o Powertrain, um conjunto de soluções que engloba os eixos, transmissões, motores e outras tecnologias para garantir eficiência, potência e durabilidade para os motores da FPT, que antes era utilizado apenas na Europa.

Além desse modelo, estão presentes no local um motor N67 e um Cursor 13, motores que equipam caminhões Tector, Stralis e Hi-Way da Iveco. No estande também é possível ver de perto um exemplar do motor F1C – que hoje equipa o caminhão HD80, da CAOA –, a transmissão FPT modelo 2840.6 e eixo traseiro FPT modelo NDA-SW aplicado em veículos leves.

 

Grandes diferenciais

A presença de sistemas de injeção eletrônica sofisticados (Common Rail e Unidades Injetoras Eletrônicas de terceira geração), a escolha de muitos dispositivos de admissão de ar (turbocompressores com Wastegate, Geometria Variável ou Duplo Estágio) e a disponibilidade de versões com gás natural veicular (GNV) transformam os motores da FPT na melhor solução para aplicações rodoviárias, e esse é o objetivo da marca ao levar suas soluções à Fenatran.

Como será o motor do futuro?

Aqui na FPT a inovação é palavra de ordem. Estamos sempre debruçados sobre estudos, análises e testes que consigam entregar desempenho, eficiência e economia.

Na fábrica de Sete Lagoas, Minas Gerais, são produzidos os motores F1 e NEF e é lá que algumas evoluções de cada uma dessas linhas ganhou forma.

Com essas evoluções em mente, como seria o motor do futuro? Que tipo de combustível ele vai consumir, como ele vai garantir desempenho e economia, em quais condições de proteção ao meio ambiente eclético será produzido? Listamos abaixo algumas tendências que podem virar realidade em breve, para todos os segmentos automotivos.

AUTONOMIA DE CONDUÇÃO

Marchas, aceleração, demanda de torque, ativação de turbo e outros recursos podem não depender do condutor. Com alta tecnologia embarcada, os motores serão capazes de identificar falhas e oportunidades de desempenho durante os trajetos e assim, autorregular seus índices.

Combustíveis alternativos

Você não conhece outros combustíveis além do diesel? Essa agonia pode acabar em breve. Marcas famosas de automóveis já vêm testando soluções para que nossos veículos do futuro precisem de uma carga (possam ser recarregados) para sair rodando por aí, assim como seu celular.

PESO

Os motores são máquinas naturalmente pesadas, dado o seu volume de materiais, sistemas e proteções. No futuro, materiais mais resistentes vão tomar o espaço dos tradicionais aço, cobre, latão e outros. Além de baratear a produção, essa perda de peso vai garantir menos consumo de combustível e mais agilidade e facilidade de manobra. (A FPT já está em constante trabalho para utilizar na sua gama de motores o que há de melhor em relação a ligas metálicas. Por exemplo, nossos motores F1A e F1C já nasceram com cabeçotes de alumínio, o que não só reduz o peso do motor, como também melhora a troca térmica)

Quais são os seus palpites quanto ao motor do amanhã? Deixe seu comentário 🙂

  1. Nanotecnologia: Utilização de fluidos e materiais com nanotecnologia embarcada para reduzir a valores próximos de zero as perdas de energia por atrito
  2. Smart Systems: Utilização cada vez maior de sistemas inteligentes acoplados ao motor que, acionados sob demanda, permitem reduzir a perda de energia. Ex: Smart Alternator, Start Stop…

Combustíveis alternativos

Quando falamos de motores, potência e desempenho, um ingrediente é essencial: o combustível.
Muito além dos combustíveis que conhecemos no dia a dia, como a gasolina, o diesel e o álcool, a FPT Industrial trabalha com alternativas para garantir eficiência, sem prejudicar o meio ambiente.

Assista ao vídeo do nosso especialista Gustavo Teixeira e conheça um pouquinho mais sobre combustíveis alternativos como o Biometano e sua aplicação no mercado brasileiro com a parceria entre FPT Industrial e New Holland.

Dê o play e curta mais um Papo com Potência.

Óxido nitroso, nitrox ou nitro?

Você já ouviu falar sobre óxido nitroso?

Provavelmente sim, mas não com esta nomenclatura.

O óxido nitroso ou protóxido de nitrogênio, apresentado na fórmula química N2O, é um gás incolor e não inflamável, que serve para aumentar de forma instantânea a potência do motor de um carro. É bastante conhecido, principalmente no meio automobilístico, porém, é chamado apenas de “nitro”.

O nitro (ou Nitrox) é utilizado em motores de combustão interna. Assim como a turboalimentação, a injeção de óxido nitroso nas câmaras de combustão tem como objetivo elevar a massa de oxigênio injetada. Neste caso, o óxido nitroso diminui o aquecimento da câmara de combustão, fazendo com que uma quantidade maior de mistura ar-combustível seja injetada na mesma. Isto permite queimar maior quantidade de combustível numa mesma câmara de combustão.

Nos motores a álcool ou gasolina, a produção do movimento começa pela queima de combustível nas câmaras de combustão. Essas câmaras contém um cilindro, dois kits válvulas (podendo ser 2, 4 ou mais válvulas por cilindro, dependendo do fabricante) – um kit de admissão e outra de escape – e uma vela de ignição. O pistão que se move no interior do cilindro é acoplado a biela que se articula com o virabrequim. O virabrequim ao girar faz com que o movimento chegue as rodas através do sistema de transmissão do carro.

O óxido nitroso pode ser vendido em forma de kit ou por peça, geralmente o kit básico acompanha: um cilindro, solenóides, mangueiras, bicos injetores (foggers) e peças para acabamento, sendo o cilindro a peça de destaque.

Ao contrário do que se pode imaginar, o nitro não explode. Pelo contrário, o óxido nitroso é muito utilizado na área médica e na odontologia. Administrado, juntamente com o oxigênio, possui efeito analgésico e sedativo. Em anestesia geral, a adição de óxido nitroso ao oxigênio permite uma redução da quantidade do agente anestésico mais caro, obtendo-se o mesmo efeito. O óxido nitroso, apesar de fornecer oxigênio, não é um comburente por si só. Portanto, ele é inerte em condições de temperatura e pressão ambientes. Em caso de vazamento ou acidente com o cilindro, mangueiras, ou mesmo falhas, o nitro não oferece riscos.

Para resumir todo esse processo, podemos explicar a funcionalidade do nitro em 3 fases:

1. Resfriamento da mistura admitida, o que aumenta a massa de mistura na câmara de combustão;

2. Combustível e mais oxigênio nos cilindros;

3. Resfriamento das câmaras de combustão do motor (nitrogênio).

Por fim, é importante dizer que o nitro pode ser usado em qualquer carro, então há a vantagem de trocar de carro e reinstalar o kit. O único acerto a ser feito seria a substituição dos giclês (jets), para o acerto de mistura óxido nitroso e combustível.

Gostou do nosso texto? Deu para ter uma ideia melhor de como funciona o famoso nitro?

Então deixe seus comentários, dúvidas e sugestões abaixo.

Conheça o Technical Center FPT Industrial no Brasil

Você já ouviu falar sobre o Technical Center FPT localizado na cidade de Betim (MG)?

O espaço possui uma área total de 4.085 m² e foi criado com o objetivo de atender todas as demandas da América Latina. Dividido em dois andares, com três salas para reuniões e dois salões, o diferencial do espaço é dedicado a área de pesquisa, tendo uma oficina de protótipo com 312 m² para testes e execução dos motores. O espaço ainda conta com uma área ambiental.

Em 2010, a FPT Industrial recebeu a certificação de Bronze no World Class Manufacturing (WCM) em sua fábrica localizada em Sete Lagoas (MG), e agora em 2016 recebeu a certificação de nível Prata, provando mais uma vez o padrão elevado da FPT em seus processos de fabricação.

No vídeo abaixo, com a Gabriela e o Rodrigo, você pode fazer um tour pela Technical Center e conhecer um pouco mais sobre os departamentos e etapas no processo de criação de motores, que movimentam desde máquinas gigantes até geradores de energia.

Clica aí no nosso papo com potência!

 

 

Materiais nobres para motores potentes

Você certamente já ouviu falar em titânio e DLC (ou Diamond-Like Carbon). Esses materiais são alguns dos escalados para compor os motores FPT, com a intenção de aumentar sua vida útil e trazer mais leveza ao dia a dia, além de aumentar a qualidade e conferir o melhor custo-benefício.

O DLC é uma variação de carbono, que possui algumas propriedades típicas do diamante. Normalmente, é utilizado como revestimento para outros materiais e, no caso dos motores, está presente conferindo mais resistência principalmente em balancins. Por ser 100% usado para indústrias, o DLC pode ser aplicado em grandes áreas e possui alta aderência em aços de baixa e alta liga.

Já as ligas de titânio apresentam propriedades importantes, principalmente para os motores. Elas possuem:

  • Baixa densidade;
  • Boa resistência mecânica à tração;
  • Excelente resistência à corrosão;
  • Relativa abundância na natureza (é o nono metal mais abundante).

Dessa forma, o titânio entra para aumentar a resistência a altas temperaturas. O trabalho a frio aumenta a resistência mecânica e, o aumento de temperatura de trabalho, que provoca rápida queda de resistência mecânica no alumínio, apresenta este efeito.

Essa tecnologia é usada em caminhões pesados, como o Iveco Stralis, e também em máquinas agrícolas e de construção no segmento off road.

E você? O que acha da utilização de materiais nobres na composição dos motores? Conte nos comentários.