Geradores de Energia, Motores, Produtos

A diferença entre o diesel S-10 e o S-500

Diesel S-10 e S-500

O uso de tecnologias de ponta nos processos mecanizados é importante para eficiência econômica e produtiva da agricultura. A melhoria na eficiência de motores agrícolas ou até a adoção de novos combustíveis é necessária para reduzir os impactos ambientais e os custos das atividades agrícolas.

No Brasil, são disponibilizados dois tipos de combustível diesel: o S-10 e o S-500. Esses combustíveis são utilizados nas máquinas agrícolas em misturas com 7% de biodiesel (B5). Mas qual a diferença entre eles?

Diesel S-500

O Diesel S-500 apresenta o teor máximo de enxofre de 500mg/kg (ppm = partes por milhão), possui número de cetano 42 e é um produto adequado aos veículos a diesel fabricados antes de 1º de Janeiro de 2012, e em todas as aplicações off road da FPT (Construção e Agrícola), sendo conhecido nos postos como Diesel Comum .

O óleo diesel é utilizado em motores de combustão interna e ignição por compressão (motores do ciclo diesel), derivado do petróleo, com odor forte e característico e utilizado em automóveis, furgões, caminhões, pequenas embarcações marítimas, máquinas de grande porte, locomotivas, navios e aplicações estacionárias (geradores elétricos, por exemplo).

Diesel S-10

O óleo Diesel S-10, disponível a partir de janeiro de 2013, apresenta o teor máximo de enxofre de 10mg/kg (ppm = partes por milhão) e foi desenvolvido para atender aos requisitos da mais nova geração de motores diesel que foram projetados para emitirem menores teores de material particulado e NOx do que os produzidos até dezembro de 2011. Além do baixo teor de enxofre, esse combustível tem alto número de cetano (48 no mínimo), uma faixa estreita de variação da massa específica (820 a 850 kg/m³).

Como benefícios do diesel S-10 podemos citar a redução de até 80% das emissões de material particulado, a melhoria na ignição e redução da emissão de fumaça branca na partida a frio e a diminuição da formação de depósitos no motor e contaminantes no lubrificante.

Colaboração: embaixador Luiz Noronha

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.