Motor, Prevenção

Mitos envolvendo o óleo do motor

Quando se trata de óleo lubrificante para motores, existe uma grande variedade de dicas, informações e mitos para indicar o seu melhor uso. Mas como saber o que é verdade ou mentira quando se trata desse componente essencial para o funcionamento do motor?

Não é muito fácil, e seguir esse tipo de orientação pode acabar prejudicando seu motor e até fazer você gastar uma boa quantia em manutenção. Para ajudar você, a FPT desmitificou os principais na lista a seguir. Vamos lá?

Veículos com muitas quilometragens devem utilizar óleo grosso

Não há nada que comprove isso, o óleo deve se manter de acordo com as especificações recomendadas no manual do veículo. O óleo grosso pode ser um indício de problema na composição e comprometer a durabilidade e as peças do veículo.

Lubrificantes mais densos também podem demandar mais do motor, necessitando gerar mais energia para se movimentar, o que sobrecarrega os componentes internos e aumenta o gasto de combustível.

Postos de gasolina e oficinas são os melhores lugares para trocar óleo

Todo mundo tem um mecânico ou um posto de confiança, mas devemos ter muito cuidado quando se trata do óleo do motor. Você sempre deverá ficar atento às classificações API e SAE recomendadas pelo fabricante (exemplo: SAE 15W40 API CI4) e que o produto que você irá utilizar esteja de acordo com as recomendações da FPT.

Muitos profissionais tendem a indicar óleos diferenciados, com aditivos, alegando que são superiores aos outros, mas isso não é uma verdade absoluta. Por isso, a recomendação é seguir a orientação do fabricante.

Além disso, temos que ficar atentos ao momento em que o verificamos. Normalmente, olhamos na hora de abastecer, mas o mais indicado é quando o motor estiver frio e o óleo todo depositado no cárter, ou seja, verifique antes de sair para andar com o carro.

Isso garante que todo o lubrificante escorreu para o compartimento e o nível é o real. Quando o motor está quente, o óleo está em movimento e dará a impressão de que há um volume menor do que o real.

Escurecimento do óleo é indicação de necessidade de troca

A alteração na cor do lubrificante é normal, ocasionada pelo fato de que o óleo contém detergentes e dispersantes que têm função de promover a limpeza interna do motor. Com isso, ocorre o escurecimento do líquido. Mas não significa que o óleo esteja comprometido ou vencido, ele está simplesmente cumprindo suas funções, que podem ser separadas da seguinte forma:

  • Lubrificação: separação das partes móveis, reduzindo o atrito e evitando o desgaste.
  • Resfriamento: alguns componentes do motor têm o óleo lubrificante como sua primeira linha para dispersão de calor, e o lubrificante tem grande importância no processo de controle da temperatura.
  • Vedação: o lubrificante na viscosidade correta trabalha impedindo vazamentos no sistema, além de ter papel primordial na vedação da câmara de combustão, o que auxilia na redução de consumo e aumento da eficiência do motor.
  • Dispersão: o lubrificante tem aditivos que trabalham como agentes dispersantes no sistema e que impedem a aglomeração dos contaminantes e os mantêm em suspensão no óleo para que eles sejam descartados com o óleo antigo no momento da troca.
  • Detergência: aditivos presentes no lubrificante agem como detergentes, removendo depósitos e impedindo a formação de novos depósitos nas galerias do motor.

Olhar o óleo é a maneira correta de verificar alterações

Nada disso! Não há uma análise visual que possa comprovar o estado do óleo, por isso, é necessária a realização periódica do óleo e respeitar os prazos de troca estabelecidos pelo fabricante. Não fique rodando com óleo “envelhecido”. Com o tempo, ele vai perdendo suas propriedades e pode prejudicar o motor.

Agora você já sabe quais orientações seguir, quando se trata de óleo lubrificante. Lembre-se de buscar informações só com especialistas e em fontes confiáveis para não comprometer o funcionamento do seu veículo.

Gostou do nosso post? Compartilhe com os amigos!

Fonte: FPT/Carros UOL

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *