FPT Industrial

Entenda como funcionam os motores híbridos e suas vantagens

A busca constante das melhores soluções é um dos pilares para a FPT. Por isso, estamos conectados com o futuro e procuramos produzir tecnologias que levam em conta o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável.

Uma dessas tecnologia que já faz parte de nossa realidade é a implementação de motores híbridos. Mas você sabe o que significa hibridismo no contexto de motores?

Os motores híbridos se caracterizam pela capacidade de utilização de energia elétrica ou de combustível, dependendo da necessidade. Na hora da partida, por exemplo, é acionada a energia elétrica, enquanto acima de 60km/h já é possível andar com a energia de combustão.

Dessa forma, o motor gasta menos combustível e desenvolve maior eficiência, já que se adapta às demandas conforme o uso. E o melhor: a emissão de gases poluentes também tende a diminuir com esse tipo de motor. É a energia do futuro sendo colocada em prática e levando soluções para os usuários e para o meio ambiente!

FPT fornece eixos leves e eficientes para os desafios do dia a dia

Líder mundial em powertrain, a FPT Industrial, marca da CNH Industrial, fornece eixos para diferentes aplicações, desde comerciais leves, caminhões, ônibus, até veículos especiais e fora-de-estrada. Dianteiros e traseiros, em configurações de rodado simples ou duplo, de 3,2 toneladas a 70 toneladas, este line-up de mais de 25 modelosé produzido com tecnologias eficientes que reduzem o peso operacional, permitindo aumentar o volume de carga transportada.

Além do ganho em capacidade, a leveza dos eixos FPT resulta em menor consumo de combustível, associada à manutenção simplificada e a melhor relação peso/potência. Soluções inteligentes e práticas que fazem a diferença nas missões dos segmentos on-road e off-road.

Um exemplo de aplicação é o eixo NDA-SW, conhecido no Brasil por equipar o IVECO Daily City. Próprio para entregas urbanas, este modelo de tração traseira proporciona mais estabilidade e força na operação, juntamente com o motor FPT F1A de 2,3 litros e 130 cavalos de potência.

Eixo FPT NDA-SW

Com semi-árvores do tipo semiflutuante e relação 4,86:1, o NDA-SW foi projetado para otimizar ao máximo as perdas por atrito, transmitindo máximo desempenho para as rodas do veículo, sem aumentar o consumo.

“O eixo NDA-SW foi projetado para veículos leves com Peso Bruto Total (PBT) até 3,5 toneladas. Como em toda a nossa linha, sua principal característica é levar mais, pesando menos. Por ser um eixo traseiro, proporciona melhor estabilidade e mais tração”, afirma o especialista de Marketing de Produto da FPT Industrial, André Faria.

PARA ATÉ DUAS MIL APLICAÇÕES

Além do NDA-SW, a FPT Industrial tem eixos que podem ser customizados a até duas mil aplicações, como os modelos traseiros NDA-TW, 450511 e 450517 do IVECO Daily.

A linha de eixos dianteiros é composta dos modelos 5956, de seis toneladas, e 5985, de 18 toneladas, com tração; 5833, 5845, 5860, 5871/2 e 5890, de 3,6 toneladas a 18 toneladas, sem tração. Os modelos podem vir equipados com freios a disco e a tambor, configurações simples ou tandem para veículos com PBT de até 40 toneladas.

Para transmissão de força nas rodas traseiras, a FPT fornece ainda os modelos NDA-TW, 450511, 450517, 4511-SW, 4511-TW, 4517/3, 4517/2, 4517, 4521, MS08, MS10, MS/MC13, 17x, MT23, 451146, 451391, 451846, 452146, 452191 e 453291, de 3,2 a 32 toneladas, freios a disco e a tambor, rodado simples ou duplo, configurações simples ou tandem, com reduções simples ou no cubo e Peso Bruto Combinado de até 70 toneladas.

“Os eixos da FPT Industrial são leves e especiais. As tecnologias de otimização os deixam menos pesados do que os eixos produzidos pela concorrência, aumentando a capacidade de carga com menores gastos de combustível e de manutenção. Com ganhos em eficiência, o operador pode ter a certeza da lucratividade”, completa Faria.

Evento especial reúne distribuidores da FPT na América do Sul

Dezembro começou bem na FPT! No dia 3, a marca reuniu todos os Distribuidores da América do Sul em um encontro especial e totalmente online. O Dealer Meeting 2020 teve como tema “Navegar é preciso” e buscou traçar, em conjunto com todas as equipes, as rotas para 2021.

Seguindo uma estratégia baseada em quatro pilares – Servitização, Digitalização, Propulsores Alternativos e Customer Experience – a FPT segue junto com os Distribuidores na amplificação do crescimento.

O Dealer Meeting contou também com a participação marcante do renomado navegador Amyr Klink como convidado especial. Na ocasião, Klink fez uma palestra inesquecível sobre suas experiências e modo de ver a vida atual, relatos encorajadores e inspiracionais para todos os participantes.

Dessa forma, junto aos Distribuidores, presencial ou virtualmente, a FPT segue para novas conquistas de sucesso em 2021. Pois o futuro é o que move a marca!

Fábrica da FPT no Brasil celebra 20 anos de eficiência e inovação

Inaugurada em 2000, unidade de Sete Lagoas (MG) é símbolo de alta flexibilidade e elevado nível de qualidade na produção de motores para diferentes missões

Um motor é produzido a cada três minutos pela planta, que recebeu novos ambientes digitais e intuitivos e alcançou o Aterro Zero, reciclando 100% dos resíduos

Parte do complexo da CNH Industrial em Sete Lagoas (MG), a fábrica de motores da FPT Industrial celebra duas décadas acelerada pela eficiência e inovação, promovendo o desenvolvimento de powertrain com alta flexibilidade e o mais elevado nível de qualidade. Inaugurada em 2000, a planta é responsável pela produção dos motores das famílias FPT F1A, F1C, NEF e S8000 e conta com novos ambientes digitais e intuitivos, que reduzem sistematicamente os desperdícios de tempo e materiais.

Certificada com o nível prata do World Class Manufacturing (WCM), um dos mais altos padrões da indústria de manufatura no mundo, a unidade alcançou a meta de Aterro Zero, reciclando 100% dos resíduos, reforçando o compromisso sustentável.


Reposicionamento de estações tornou o trabalho mais rápido e seguro

A produção da FPT no Brasil equipa veículos dos segmentos on-road, de transporte de cargas e passageiros, off-road, na agricultura e construção, marítimo e de geração de energia, em motores para geradores (G-Drive) e conjuntos de geradores completos (Genset). Somente na América do Sul, são mais de 615 mil motores FPT em circulação, o que atesta a liderança da marca em bens de capital.

Dentre as recentes iniciativas da fábrica estão a Compass Room, sala que integra diferentes áreas, facilitando o entendimento na execução de projetos para garantir resultados sustentáveis; o sequenciamento digital de kits de peças, utilizados na montagem dos motores; e o reposicionamento de estações de trabalho, com as melhores práticas ergonômicas, permitindo que o colaborador esteja mais próximo de peças, ferramentas e utensílios.

O processo de montagem é monitorado por sistemas de controle automatizados de última geração do First Time Quality. Todos os motores são submetidos a testes de dinamômetro, atestando parâmetros de qualidade e potência. Nas salas do Banco de Provas, avaliações monitoram em tempo real aspectos de vibrações e temperatura.

Determinamos que o propósito da fábrica seja propiciar a melhor experiência de manufatura para os nossos clientes, visitantes e funcionarios. Aplicamos as melhores práticas, criamos  ambientes de trabalho cada vez mais produtivos, seguros e intuitivos que garantem a qualidade dos nossos produtos. Temos fluxos logísticos flexíveis para atender com rapidez e assertividade as demandas do mercado”, afirma o gerente de Operações da fábrica, Mario Coriale.

As evoluções permitiram que a unidade, com área total de 65 mil metros quadrados e área coberta de 21 mil metros quadrados, obtivesse um aumento médio de produtividade de mais de 10%. Atuam em Sete Lagoas cerca de 230 colaboradores, que auxiliam a FPT Industrial a produzir um motor a cada três minutos.

WCM E ATERRO ZERO: SEM DESPERDÍCIOS

A fábrica da FPT no Brasil também alcançou a meta de Aterro Zero, reciclando 100% dos resíduos, dentro do World Class Manufacturing (WCM) da CNH Industrial, um dos mais altos padrões da indústria de manufatura no mundo, que busca zero perdas, com base na metodologia da Pirâmide de 5R – recusa do resíduo (logística reversa), redução, reaproveitamento, reciclagem e recuperação.

Como parte do nível prata do WCM, o Aterro Zero reduziu gradativamente o volume de resíduos destinados a aterros sanitários licenciados, até a eliminação completa. A FPT entende que todo material pode ser transformado, resultando em uma produção cada vez mais verde.

Quanto mais melhoramos a produtividade e a qualidade, eliminando desperdícios, menor será o custo de manufatura. A matriz das melhorias é o WCM, modelo que já está no DNA dos nossos colaboradores. Em cada estação de trabalho há soluções desenvolvidas pelo nosso time”, afirma o diretor Industrial da CNH Industrial, Izidro Penatti.

Semeando O2 multiplica a importância do reflorestamento para o meio ambiente

Promover a consciência das pessoas por um futuro mais verde e sustentável está no DNA da FPT Industrial, marca da CNH Industrial líder em powertrain e no desenvolvimento de motores movidos a combustíveis alternativos. Com fábrica em Sete Lagoas (MG), a empresa mantém em seu calendário ações com o intuito de multiplicar o engajamento ao meio ambiente. Depois do sucesso de “A Pesca de Plástico”, que no ano passado recolheu 288 kg de resíduos como sacolas, copos descartáveis e garrafas pet das margens da Lagoa da Boa Vista, um dos cartões postais da cidade, a FPT promove neste mês de dezembro o projeto “Semeando Oxigênio (O2)”, com foco no reflorestamento da área da unidade fabril.

No próximo dia 5, um sábado pela manhã, colaboradores e voluntários serão convidados a plantar sementes e mudas de ipê ao redor da fábrica em um agradável passeio de bicicleta, contribuindo assim para o nascimento de novas árvores, de forma a melhorar a qualidade do ar da nossa e das próximas gerações.

Conhecidos por sua beleza, flores exuberantes e presença em diferentes regiões do Brasil, os ipês são caducifólias, ou seja, perdem todas as folhas que são substituídas por cachos de flores de cores intensas. São árvores de grande porte que gostam de calor e sol pleno. Outra curiosidade é que o nome ipê é originário da língua indígena tupi e significa casca dura.

“A FPT acredita que a missão de cada um é contribuir para tornar este mundo melhor. “Semeando Oxigênio (O2)” representa mais um passo nesse sentido. Plantar é o começo para semearmos o futuro das próximas gerações”, afirma o gerente de Operações da fábrica da FPT Industrial em Sete Lagoas, Mario Coriale.

Cada participante receberá kits de até oito sementes para plantar, além das mudas. A FPT reforça que tomará todos os cuidados necessários de prevenção e higienização ao longo da pedalada.

“A sustentabilidade é um dos valores da FPT Industrial. Em mais esta ação em Sete Lagoas, engajamos as pessoas a deixar a sua marca para o amanhã. O reflorestamento é vital para a natureza e a nossa existência”, afirma a gerente de Marketing da FPT Industrial para a América do Sul, Isabela Costa.

ATITUDES PELO MEIO AMBIENTE

A fábrica de Sete Lagoas é considerada Aterro Zero, reciclando 100% dos resíduos, além de seguir o nível prata do programa World Class Manufacturing (WCM) da CNH Industrial, um dos mais altos padrões da indústria de manufatura no mundo, que busca zero perdas, com base na metodologia da Pirâmide de 5R – recusa do resíduo (logística reversa), redução, reaproveitamento, reciclagem e recuperação.

Como parte do WCM, o Aterro Zero reduziu gradativamente o volume de resíduos destinados a aterros sanitários licenciados, até alcançar a eliminação completa. A FPT Industrial entende que todo material pode ser transformado, reforçando o comprometimento com uma produção responsável.

Motorização FPT acelera busca pelo título na Copa Truck 2020

FPT Industrial equipa caminhões de Felipe Giaffone (#4), no páreo pelo primeiro lugar da temporada, Djalma Pivetta (#21) e Luiz Lopes (#99), na etapa final em Interlagos

Pilotos contam com a força, a confiabilidade e a robustez do motor FPT Cursor 13 de 1.200 cv

A emoção da maior competição de caminhões do Brasil volta ao Autódromo de Interlagos, em São Paulo, neste fim de semana, acelerada pelos motores da FPT Industrial. Apaixonada pelas pistas, a marca líder em powertrain equipa na etapa final da Copa Truck 2020 os caminhões de Felipe Giaffone (#4), que disputa o primeiro lugar da temporada, Djalma Pivetta (#21) e Luiz Lopes (#99). Os pilotos contam com a força, a confiabilidade e a robustez do FPT Cursor 13, um dos motores mais conhecidos das estradas que recebeu preparação especial para as pistas.

Os aperfeiçoamentos elevaram a potência deste poderoso motor seis cilindros de 12,9 litros, a mais de 1.200 cv, permitindo aos pesados alcançar velocidades de até 250 km/h.

Sempre ativa em competições como o Mundial de MotoGP, o European Truck Racing Championship e o Rally Dakar, a FPT é movida por desafios e não poderia ser diferente na Copa Truck, evento que serve como importante avaliação para o desenvolvimento dos motores que movem veículos de bens de capital.

Na linha IVECO, o FPT Cursor 13 equipa os modelos Hi-Road e Hi-Way, com potências de 440 cv a 560 cv, entregando a melhor densidade de potência com respostas rápidas de aceleração e baixo consumo de combustível. A motorização também é consagrada na agricultura, presente em tratores e colheitadeiras da Case IH e New Holland Agriculture, marcas que integram a CNH Industrial.

FPT Cursor 13

“O projeto do FPT Cursor 13 foi concebido em conjunto pelos time de engenharia da marca em Betim (MG) e em Arbon, na Suiça. A Copa Truck é a prova de que nossos motores foram desenvolvidos para máximo rendimento em qualquer exigência”, afirma Isabela Costa, gerente de Marketing da FPT Industrial para a América do Sul. “Esta motorização representa assim a determinação de um campeonato emocionante, que acelera junto com nossos valores de confiabilidade, tecnologia e inovação”.

A Copa Truck 2020 segue o Protocolo de Conduta COVID-19 aprovado pela categoria junto às autoridades, sem a presença do público. A final em Interlagos acontece junto com a etapa da Stock Car, que terá Felipe Giaffone como comentarista durante transmissão no canal SporTV.

SERVIÇO

Copa Truck 2020 etapa Interlagos

Quando: 11 a 13 de dezembro
Onde: Autódromo Internacional José Carlos Pace, em São Paulo (SP)

Programação:

Sexta-feira, 11/12
8
h20: Treino Livre 1
16h30: Treino Livre 2

Sábado, 12/12
12h55: Treino Livre 3
16h05: Classificação
16h40: Top Qualifying

Domingo, 13/12
14h06: Corrida 1
14h50: Corrida 2

FPT e SLOW FOOD apoiam comunidades de produção sustentável de alimentos

Grandes mudanças geralmente começam com um pequeno passo, e são esses pequenos passos que, com frequência, geram um impacto significativo e decisivo a nível local e global. Quando o desafio é convencer as pessoas a acreditar em uma forma mais responsável e sustentável de produzir e consumir recursos, sejam eles combustíveis, energia ou alimentos, conquistar os corações delas um a um parece ser a melhor maneira.

A FPT Industrial, que compartilha e já colocou em prática essa abordagem, fez uma parceria com o Slow Food para apoiar duas comunidades locais, na Itália e na França, a fim de facilitar e acelerar a jornada rumo à mudança. Fundada em 1989, o Slow Food é uma organização global originária de um movimento de base que tem como objetivo impedir o desaparecimento de tradições e culturas alimentares locais, contrapor-se à difusão do estilo de vida baseado em um ritmo frenético e combater a diminuição do interesse das pessoas por saber sobre os alimentos que comem e de onde eles vêm, além de como nossas escolhas alimentares afetam o mundo ao nosso redor. Desde a criação, o Slow Food se transformou em um movimento global envolvendo milhões de pessoas em mais de 160 países e se empenha para garantir que todos tenham acesso a uma alimentação de qualidade, saudável e justa.

A FPT Industrial fechou uma parceria com o Slow Food para reiterar, a nível local, o compromisso de longo prazo da empresa com a sustentabilidade. Esse compromisso é revelado não apenas por meio da produção de motores de alto desempenho e baixo impacto, mas também com projetos de sustentabilidade e ações concretas, como a “Fishing for Plastic”, a iniciativa que permitiu retirar três toneladas de plástico do mar de San Benedetto del Tronto (Itália), e o Urban Forestry, um projeto de reflorestamento envolvendo a plantação de mil árvores de 32 espécies nativas em Basse di Stura, ao norte de Turim (Itália).

As duas comunidades selecionadas em conjunto pela FPT Industrial e pelo Slow Food são as cooperativas Valdibella e NoE, na Sicília, e La Seyne-sur-Mer Prud’homie no departamento Var, na França. A cooperativa Valdibella, na região italiana da Sicília, atua na produção e transformação de alimentos biológicos. Os 41 membros priorizam o plantio de variedades locais e ancestrais e utilizam abordagens de agricultura sustentável por meio de métodos de cultivo de conservação para manter a fertilidade natural do solo. A cooperativa NoE (No Emargination) foi fundada em 1993 e é voltada para a inclusão social de pessoas com deficiência. Em 1998, a cidade de Partinico confiou à instituição um lote de terra confiscada da máfia. Esse terreno foi convertido em lavouras biológicas, com o cultivo de oliveiras, vegetais e culturas aráveis.

A FPT Industrial e o Slow Food apoiarão as duas cooperativas nos projetos focados em desenvolver uma “agrofloresta”, que reproduza o ecossistema natural e seja capaz de diversificar a produção de alimentos simultaneamente à preservação da paisagem, e criar um modelo de cadeia de suprimentos gratuito e autônomo para disponibilizar alimentos biológicos de alta qualidade para todos a um preço acessível.

A La Seyne-sur-Mer Prud’homie é um dos 33 coletivos de pesca, conhecidos como “prud’homies”, localizados na costa francesa do Mediterrâneo. Essas organizações coletivas, vinculadas a áreas geográficas específicas, desenvolveram-se a partir de associações de classe medievais e foram responsáveis por gerenciar recursos marítimos franceses por mais de dez séculos. Os “prud’homies” têm uma função essencial de controle e conservação em zonas marítimas ao preservar um modelo cultural histórico e participar do dia a dia da vida portuária. Cerca de 20 pescadores, alguns deles trabalhando em barcos com motores da FPT Industrial, estão comprometidos com a pesca sustentável e a transmissão dessas boas tradições para as gerações mais novas por meio do fortalecimento da cadeia de suprimentos local.


Com o apoio da FPT Industrial e do Slow Food, a comunidade poderá aprimorar a própria infraestrutura, com atenção especial às áreas dedicadas a manter a cadeia de frio e a melhorar a administração pesqueira, assim como criar mais empregos locais.

Esses dois projetos são uma oportunidade importante para a FPT Industrial de promover a marca e o portfólio de produtos, incluindo as iniciativas de sustentabilidade relacionadas.

Liderar alguns dos índices globais de sustentabilidade mais renomados durante a última década“, declarou Daniela Ropolo, diretora de iniciativas de desenvolvimento sustentável na CNH Industrial, “também significa demonstrar, dia após dia, um verdadeiro interesse e um apoio concreto a todas essas iniciativas capazes de produzir uma mudança tangível na vida das pessoas e comunidades, sejam elas grandes ou pequenas. Exatamente da mesma forma que agiu com relação à iniciativa do fundo solidário global de US$ 2 milhões, a CNH Industrial se propôs a lutar contra a COVID-19 em comunidades onde as empresas foram afetadas pelo vírus.”

A grande proximidade da área de atuação dessas duas comunidades com duas das nossas principais empresas, de motores marítimos e agrícolas,” afirmou Egle Panzella, gerente da divisão de equidade de marca, sustentabilidade e tradição da FPT Industrial, “foi como um propulsor e despertou um entusiasmo verdadeiro entre todos os envolvidos no projeto. Ter a oportunidade de contribuir para fazer a diferença, ajudando as pessoas comprometidas com um estilo de vida e produção mais saudável, justo e sustentável é parte do DNA e da missão da FPT Industrial. E fazer isso em parceria com o Slow Food é um verdadeiro privilégio.”

O Slow Food acredita que os alimentos estão relacionados a vários outros aspectos da vida, incluindo cultura, política, agricultura e meio ambiente”, comentou Francesco Sottile do Slow Food. “Por meio das nossas escolhas alimentares, podemos influenciar coletivamente como os alimentos são cultivados, produzidos e distribuídos e, como resultado, mudar o mundo. Esses projetos já haviam começado, mas precisavam de um ‘impulso’ para mostrar que o caminho certo é a melhor escolha. É por essa razão que, em cooperação e colaboração com nossos parceiros e apoiadores, decidimos financiá-los. Porque a mudança precisa acontecer e tem que ser agora.”

Evento “SEMEANDO OXIGÊNIO (O2)” multiplica a importância do reflorestamento para o meio ambiente

Promover a consciência das pessoas por um futuro mais verde e sustentável está no nosso DNA. A nossa FPT Industrial é líder em powertrain e no desenvolvimento de motores movidos a combustíveis alternativos. Com fábrica em Sete Lagoas (MG), mantemos em nosso calendário ações com o intuito de multiplicar o engajamento ao meio ambiente.

Depois do sucesso de A Pesca de Plástico, que – em novembro do ano passado – recolheu 288 kg de resíduos como sacolas, copos descartáveis e garrafas pet das margens da Lagoa da Boa Vista, um dos cartões postais da cidade, a FPT promove, no próximo dia 5 de dezembro, o projeto “Semeando Oxigênio (O2)”, com foco no reflorestamento da área da unidade fabril.

Será nesse sábado pela manhã! Colaboradores e voluntários estão convidados a plantar sementes e mudas de ipê ao redor da fábrica em um agradável passeio de bicicleta, contribuindo assim para o nascimento de novas árvores, de forma a melhorar a qualidade do ar da nossa e das próximas gerações.

Conhecidos por sua beleza, flores exuberantes e presença em diferentes regiões do Brasil, os ipês são caducifólios, ou seja, perdem todas as folhas que são substituídas por cachos de flores de cores intensas. São árvores de grande porte que gostam de calor e sol pleno. Outra curiosidade é que o nome ipê é originário da língua indígena tupi e significa casca dura.

“A FPT acredita que a missão de cada um é contribuir para tornar este mundo melhor. “Semeando Oxigênio (O2)” representa mais um passo nesse sentido. Plantar é o começo para semearmos o futuro das próximas gerações”, afirma o gerente de Operações da fábrica da FPT Industrial em Sete Lagoas, Mario Coriale.

Cada participante receberá kits de até oito sementes para plantar, além das mudas. A FPT reforça que tomará todos os cuidados necessários de prevenção e higienização ao longo da pedalada.

“A sustentabilidade é um dos valores da FPT Industrial. Em mais esta ação em Sete Lagoas, engajamos as pessoas a deixar a sua marca para o amanhã. O reflorestamento é vital para a natureza e a nossa existência”, afirma a gerente de Marketing da FPT Industrial para a América do Sul, Isabela Costa.

ATITUDES PELO MEIO AMBIENTE

A fábrica de Sete Lagoas é considerada Aterro Zero, reciclando 100% dos resíduos, além de seguir o nível prata do programa World Class Manufacturing (WCM) da CNH Industrial, um dos mais altos padrões da indústria de manufatura no mundo, que busca zero perdas, com base na metodologia da Pirâmide de 5R – recusa do resíduo (logística reversa), redução, reaproveitamento, reciclagem e recuperação.

Como parte do WCM, o Aterro Zero reduziu gradativamente o volume de resíduos destinados a aterros sanitários licenciados, até alcançar a eliminação completa. A FPT Industrial entende que todo material pode ser transformado, reforçando o comprometimento com uma produção responsável.

SERVIÇO“Semeando Oxigênio (O2)”
Quando: 5 de dezembro, sábado, às 8 horas
Onde: Fábrica da FPT no complexo da CNH Industrial, Sete Lagoas (MG)
Inscrições: mirian.rodrigues@cnhind.com


Soluções FPT fazem sucesso em marcas de todo o mundo

Quem imagina que as aplicações dos motores FPT ficam restritas ao grupo CNH está muito enganado!

Sempre pensando na importância da versatilidade e das entregas personalizadas de soluções ideais de acordo com cada necessidade, hoje temos grande variedade em nosso portfólio de marcas e utilizações. Como exemplo, temos o Trator Axion 800 da marca CLAAS; o Trator Serie 7000 da ARBOS LOVOL; o Equipamento Florestal SKIDDER 635G TIGERCAT e o Pulverizador LEEB VL da marca HORSCH.

Uma grande diversificação de aplicação, com utilizações no campo e na cidade, que fazem sucesso em todo o mundo pela força e potência.

Sinônimo de orgulho para nós! Queremos ir além!

Robôs que colaboram – Fábrica 4.0 já é realidade na FPT Industrial

Como será a fábrica do futuro? Como será organizada? Para responder a estas e muitas outras questões relativas ao modelo de produção da Indústria 4.0, basta ir às instalações da Driveline da FPT Industrial, em Turim, dedicada à produção de transmissões e eixos para veículos pesados.

No departamento de montagem trabalha a AURA (Advanced Use Robotic Arm): um robô concebido e construído pela Comau e utilizado no projeto HuManS (Human-centered Manufacturing System). Criado para um concurso, o projeto vê o homem no centro do sistema de produção, envolvido por máquinas que o ajudam e com as quais divide o espaço de trabalho com total segurança.

Com quase três metros de altura e pesando cerca de três toneladas, a AURA é um robô industrial colaborativo, capaz operar ao lado das pessoas, sem barreiras e na mesma estação de trabalho, para ajudar a realizar as tarefas mais repetitivas e, se necessário, pode ser guiado manualmente pelo operador, a qualquer momento. Especificamente, a AURA pega de, forma independente, uma peça do carrinho de abastecimento e a passa delicadamente para o operador com quem compartilha a estação de trabalho. E é precisamente o operador humano que, a este ponto, assume o comando das operações, guiando o robô por meio de um guidão apropriado, de forma que o braço mecânico aproxime a peça da bancada, onde é acoplada com uma alavanca.

Uma colaboração e uma sinergia perfeita, onde cada uma das partes envolvidas consegue dar o melhor de si. O robô realiza trabalhos pesados de forma metódica e sem esforço, é o único colaborativo do mercado capaz de levantar até 170 quilos, enquanto a fase delicada de montagem é controlada pelo homem, que aproveita assim a sua capacidade de se adaptar a situações de trabalho e estratégias de montagem, que variam muito de modelo para modelo.

Mas a força não é o único elemento que faz da AURA um robô sem igual. Na sua função de máquina colaborativa, de fato, deve ser capaz de perceber a presença, seja de outra máquina ou de uma pessoa de ‘carne e osso’, dentro do espaço em que opera. E para fazer isso, usa seus “sentidos” ao máximo.

Uma “pele sensível” – macia e inspirada na pele humana – que lhe permite decidir se reduzir a velocidade com que se move ou pare completamente. Uma “visão”, em forma de câmera 3D, que o robô usa para escanear a peça a ser retirada para entender em que lugar está. E por último “o tato” que se expressa através de uma pinça, capaz de levantar o componente a ser movimentado e pegá-lo com firmeza, mas ao mesmo tempo com delicadeza. Mas isso não é tudo. Para poder trabalhar sem nenhuma barreira, ao lado de um ser humano, na linha de montagem driveline da FPT Industrial, a AURA possui um verdadeiro “sexto sentido”: um sistema avançado e complexo de escaneamento a laser, que inspeciona e monitora o espaço de trabalho quando o braço está em operação.

A FPT Industrial e a Comau participaram ativamente do projeto HuManS, desde as fases preliminares de definição dos requisitos e das áreas de aplicação, em 2017, com o objetivo de melhorar e tornar os processos mais eficientes, graças à implementação de novas soluções técnicas  voltadas especificamente para a ergonomia de fábrica. Além disso, como usuário final, a FPT Industrial e a Comau garantiram constantemente um monitoramento eficaz da validade industrial real dos resultados, facilitando assim sua transição do campo científico para a aplicação.

“Estamos felizes por termos realizado este projeto junto com uma parceira de excelência como a Comau”, diz Giuseppe Daresta, gerente Manufacturing da FPT Industrial “A configuração feita na fábrica Driveline de Torino representa uma grande inovação, pois melhora a ergonomia nas operações de montagem manuais de elementos pesados, ??graças ao suporte de um robô capaz de compartilhar, de forma segura, os espaços com o operador humano”.

“A sinergia entre as duas empresas líderes em tecnologia, como a FPT e a Comau, levou a uma solução inovadora focada no robô colaborativo AURA. A Comau sempre esteve comprometida com o desenvolvimento de produtos e sistemas voltados para o aprimoramento dos processos de produção dos clientes, no que se refere a flexibilidade, qualidade e eficiência – faz notar Pietro Ottavis, Chief Technology Officer da Comau -. Os ‘cobots’ e as ferramentas digitais são algumas das tecnologias principais que a Comau desenvolveu, seguindo sua abordagem para a Indústria 4.0, chamada HUMANufacturing, para realizar uma colaboração plena e segura nas atividades de produção entre seres humanos e máquina, utilizadas para apoiar os humanos em operações que requerem maior velocidade, força e repetibilidade, bem como nas mais perigosas”.