Como escolher o motor ideal para o seu projeto?

Definir o modelo ideal de motor para o seu projeto pode parecer algo simples, mas acredite: não é bem assim. Engenheiros e estudantes precisam avaliar uma série de fatores importantes no momento da escolha do coração do seu projeto. E, principalmente, encontrar o equilíbrio entre o que é necessário e o que é desejado.

Por exemplo, se o seu projeto é um caminhão, saiba que a modalidade de carga e o tipo de trajeto afetarão diretamente o desempenho do seu motor. E isso precisará ser considerado na mesa de projetos. Se for um carro de passeio, para mobilidade urbana, o baixo consumo de combustível e a manutenção barata serão os pontos-chave para o usuário do seu veículo e para você também.

Por isso, repassamos alguns conceitos que ajudarão você a encontrar a solução mais adequada para o seu projeto:

Torque e potência

A potência diz respeito ao tempo e à capacidade do motor de responder a uma tarefa em um determinado tempo. Quanto mais potência, menor o tempo de resposta. A potência é o resultado da relação entre o torque e a quantidade de rotações dos cilindros. Quanto maior o torque, maior a força do motor.

Cilindrada

Os cilindros estão diretamente relacionados à potência automotiva. As cilindradas são medidas em cm³. Elas dizem respeito à capacidade dos cilindros do motor de receber um determinado volume da mistura ar-combustível. Quanto mais cilindradas, maiores serão a potência e o torque do veículo.

Ronco do motor

O barulho do motor diz muito sobre o seu funcionamento. Ele pode indicar a saúde do equipamento. Redobre a atenção no “choro” e na quantidade de fumaça emitida para avaliar o bom funcionamento do motor.

Tecnologia

Combustíveis fósseis, como o diesel, o gás natural e a gasolina, são altamente poluentes. Em função disso, surgiram diversas regulamentações que verificam os níveis de emissões dos motores. Atualmente, existem inúmeras tecnologias que reduzem drasticamente o nível de poluentes lançados na atmosfera. Portanto é preciso estar atento para optar por fabricantes que ofereçam tecnologias que garantam a redução dos níveis de emissão.

Facilidade de manutenção

Um fator também muito importante a ser considerado é a facilidade de manutenção do seu motor. Não vale a pena investir em um motor de procedência duvidosa. Fabricantes confiáveis agregam valor ao produto, oferecem assistência técnica qualificada e peças genuínas que garantem a segurança e o bom funcionamento do veículo.

Considere esses pontos antes de escolher o seu motor. Tem alguma dica para compartilhar? Deixe o seu comentário.

Motores FPT em máquinas agrícolas

Para que os alimentos cheguem a nossa casa, um processo muito importante acontece no campo diariamente. Diversas máquinas agrícolas plantam, pulverizam e colhem tudo aquilo que vai abastecer o país e alimentar milhares de famílias.

Por mais que muitas pessoas nunca tenham parado para pensar, os motores são os grandes aliados para que essas máquinas funcionem perfeitamente e tenham alta produtividade no campo.

Uma oportunidade muito interessante para ver toda essa potência de perto são as feiras e os eventos, como a Expodireto Cotrijal, que aconteceu entre os dias 5 e 9 de março. Foram mais de 500 expositores reunidos para tirar dúvidas sobre o universo de tecnologias agrícolas.

Série Cursor

Essa série é a família de motores FPT para uso off-road, ou seja, para atividades que são praticadas fora da estrada – como a agricultura. Eles oferecem alto desempenho mesmo para os equipamentos que enfrentam condições mais severas (tratores de grandes dimensões, colheitadeiras, etc.).

Os motores da série Cursor estão disponíveis em três modelos com arquitetura de 6 cilindros, sistema de injeção Common Rail e turbocompressor que permite a otimização do fluxo de ar e garante alto desempenho com baixo consumo de combustível.

Série NEF

Os motores NEF são capazes de cobrir diferentes aplicações, e uma delas é a agricultura. Equipando tratores de pequeno e médio porte, eles são disponibilizados em configurações de 4 e 6 cilindros, combustão é associada a tecnologia I-EGR para tratamento dos gases de escape.

Quer conhecer nossos outros motores voltados para o setor agrícola? Em nosso site você encontra todos os detalhes e especificações.

A importância de se ter distribuidores autorizados

Nada como ter uma assistência dedicada e especializada na hora de cuidar do seu veículo, não é mesmo? E isso também é muito importante para aumentar a vida útil do motor e de seus componentes internos. Por isso é sempre recomendado ir até um distribuidor autorizado para fazer suas revisões.

O distribuidor FPT é responsável pelos serviços especializados em motores, eixos e transmissão. Também são oferecidas consultorias e suporte técnico para os usuários de máquinas agrícolas e de construção, veículos comerciais, embarcações, geradores e quaisquer outros equipamentos do segmento atendido pela FPT.

Uma grande vantagem é que muitos cursos e treinamentos técnicos são oferecidos pelos distribuidores aos usuários ou fabricantes. É uma oportunidade muito interessante para aumentar os conhecimentos com quem é especializado no assunto.

Além disso, é possível contar com toda a segurança e praticidade de ter peças genuínas sempre à disposição e uma equipe técnica com engenheiros preparados para auxiliar os pequenos e médios fabricantes de equipamentos no desenvolvimento de motores a diesel ou a gás.

Os distribuidores FPT já estão presentes em diversos estados do Brasil, como Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul com a JMalucelli e em São Paulo e Minas Gerais com a Brasif Máquinas, que em breve atuará também no Espírito Santo, Rio de Janeiro, Goiás, Distrito Federal e Tocantins.

São muitas vantagens, não é? Continue nos acompanhando aqui no blog para receber mais dicas. ?

Dicionário FPT: Termos e conceitos do mundo dos motores

É bem comum encontrarmos pessoas que têm dúvidas sobre alguns termos e conceitos do universo dos motores. Se você é uma delas, vamos ajudá-lo! Selecionamos algumas expressões que usamos aqui na FPT para explicar tudo sobre elas.

Off-Road

Esse é um termo variado do inglês que significa, em tradução literal, fora de estrada. Ele é utilizado para descrever atividades realizadas em locais não pavimentados e de difícil acesso. Um exemplo são os motores Cursor 13 que equipam os veículos dos competidores da IVECO no Rally Dakar e Africa Eco Race. Também equipamentos agrícolas e de construção onde realizam trabalho em locais de dificial acesso e sem pavimentação, por exemplo: colhendo soja no campo ou fazendo uma vala em uma pedreira.

On-Road

Os motores on-road são voltados para aqueles veículos que circulam em vias pavimentadas, como veículos comerciais leves, médios, pesados e ônibus. Alguns exemplos são as séries de motor F1 e NEF da FPT, que contam com a presença de sistemas sofisticados de injeção eletrônica e o uso de diferentes dispositivos de manuseio de ar.

Common Rail

O Common Rail (ou CRDI) é um sistema de injeção direta de combustível diesel em motores de combustão interna que é gerenciado por um computador. Nele, o combustível é enviado em altíssima pressão para tubo (Rail) e desse é enviado para cada cilindro do motor através de um Bico Injetor Eletrônico que libera o combustível em alta pressão durante a combustão. Esse é um processo que aumenta a performance, eficiência no consumo de combustível e reduz a emissão de gases poluentes.

PROCONVE/MAR-I

O PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS. AUTOMOTORES / MAQUINAS AGRICOLAS E RODOVIARIAS FASE I, estabelece uma série de diretrizes voltadas para que segmentos agrícola e de construção atendam às normas de redução da emissão de poluentes e ruídos no ambiente. Foi criado pelo Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e vem modificando de forma muito positiva as empresas dos setores em questão.

EGR

EGR ou Recirculação do Gás de Escapamento é uma tecnologia que permite que o gás do escapamento retorne à câmara de combustão do motor, fazendo com que a temperatura de combustão reduza e formem menos óxidos de nitrogênio (NOx) no ambiente.

SCR

Já o SCR ou Redução Catalítica Seletiva utiliza o Arla 32 (um reagente líquido que ajuda a diminuir a poluição do ar) para provocar uma reação química no catalisador que neutraliza a geração de óxidos de nitrogênio (NOx).

Conhece algum outro termo que não explicamos? Conte pra gente nos comentários! ?

Pintura de motores marítimos

Engana-se quem acredita que motores são todos iguais e servem apenas para gerar energia e força. Dependendo da sua função, eles possuem uma estrutura, peças e até um design diferenciado para garantir a segurança e o desempenho do equipamento que estão instalados.

Os motores marítimos são um exemplo! Sua pintura possui detalhes especiais e interessantes que fazem um item a ser explorado. Ficou curioso? Siga as perguntas abaixo e esclareça as dúvidas relacionadas a esse tema!

As tintas dos motores marítimos possuem componentes diferenciados?

Sim, como os motores ficam em ambientes salubres, principalmente por causa da maresia, eles recebem uma tinta epoxi cuja a composição é diferente de outro tipo de motores. Elas possuem propriedades anticorrosivas para garantir a durabilidade dos equipamentos, já que sabemos que a combinação de umidade + sal + metal = ferrugem.
Além disso, elas suportam altas temperaturas, sendo um mecanismo de segurança, já que serve de barreira (até determinada temperatura), evitando vazamentos de líquidos inflamáveis.

Por que os motores marítimos da FPT são claros?

O ambiente onde os motores estão situados, porões, proas, casa de máquinas tendem a ser pouco iluminados. Assim, quando o tom do motor é claro, fica mais fácil identificar algum problema como corrosão ou líquidos. É considerada como mais uma medida de proteção.
Também facilita na hora de limpar o equipamento.

E o design?

Claro que o fator de design também é considerado na hora de escolher a cor! A tintura é algo que vai além da proteção, sendo a estética uma preocupação dos engenheiros da FPT na hora de desenvolver um novo produto. A opção pela tinta branca é uma delas!
Confira aqui abaixo como as cores impactam na beleza do motor:

O que achou? Não deixe de postar seu comentário aqui abaixo e compartilhe nas redes sociais.

Embarcação blindada para operação militar na Amazônia carrega motor FPT Industrial

A DGS Defense, Empresa Estratégica de Defesa, em parceria com a FPT Industrial lançam o 888 RAPTOR, com motor N67. Embarcação tática fluvial blindada de alto desempenho, a DGS 888 RAPTOR tem 9,2 metros de comprimento, capacidade de carga superior a 2.000 Kg, visão termal estabilizada, radar de ultra-alta definição e 4 estações para armamento calibres 12,7 e 7,56 mm, atendendo e superando todos os requisitos operacionais e logísticos desejados para uma embarcação dessa categoria.

Tudo isso, impulsionado pelo motor N67 da FPT Industrial, capaz de garantir uma melhor eficiência mesmo nas situações mais exigentes, sem comprometer a vida útil do motor. Este desempenho competitivo é suportado por redução de ruído e vibrações criando uma sensação de navegação extremamente favorável. O motor da FPT Industrial se enquadra na faixa de propulsores “High Speed”. É constituído por 6 cilindros em linha e com volume de 6.7 litros. Equipado com um turbocompressor de alta eficiência, gera 570 hp de potência.

A FPT Industrial, que possui no seu portfólio motores para máquinas agrícolas e de construção, caminhões, ônibus e Grupos Geradores, além dos barcos, desenvolveu o motor N67 para a DGS 888 RAPTOR com características específicas para essa aplicação como confiabilidade e robustez. Para Marco Rangel, Presidente da FPT Industrial, “Fazer parte desse projeto da DGS marca a entrada da FPT Industrial no mercado marítimo no Brasil. No mundo somos referência nessa aplicação, e toda a nossa experiência só irá beneficiar o nosso cliente e o mercado brasileiro”, conclui o executivo.

Além disso, a DGS 888 RAPTOR possui capacidades únicas, como navegar em locais com apenas 50 centímetros de água, mesmo em presença de objetos na superfície ou semi-submersos, como troncos de árvores, além de transportar 15 homens a distâncias superiores a 500 km, a uma velocidade média de 60 km/h.

Uma das maiores vantagens da DGS 888 RAPTOR é ser 100% fabricada com um copolímero de alto peso molecular, conferindo características exclusivas como, por exemplo, retardo de chama, ser insubmergível (por ter uma densidade menor que a água) e ter elevada capacidade de absorver choques, o que a diferencia das embarcações feitas em fibra de vidro e alumínio.

Assista no vídeo abaixo o DGS 888 RAPTOR em ação!

Diferenciais do Motor FPT Cursor 13 – pódio no Rally Dakar 2016 e 2017

Uma das principais competições automobilísticas do mundo, e considerada a mais longa e difícil prova de rali, o Rally Dakar exige alta performance, resistência e grande potência dos motores que equipam os veículos participantes. Em 2017 a FPT Industrial participou pelo sexto ano consecutivo da competição, e o motor Cursor 13 garantiu a terceira e quarta colocação para holandês Gerard De Rooy e o argentino Federico Villagra, respectivamente.

Em 2016, o competidor de Rooy, da equipe “Petronas Team De Rooy Iveco”, com o caminhão Powerstar 501 equipado com motor Cursor 13 com 900 cv, conquistou o primeiro lugar da competição. Outros três pilotos que correram neste ano com caminhões equipados com o Cursor 13 conquistaram posições de destaque no top 10 do ranking geral. Os pilotos Frederico Villagra, Ton Van Genugten e Pep Vila ficaram em 3º, 5º e 10º lugar, respectivamente.

Para aplicação no Rally Dakar, os motores recebem uma preparação especial no Centro de Pesquisa & Desenvolvimento da FPT em Arbon, Suíça. Fazendo uma comparação, o motor Cursor 13 para uso comercial, utilizado no veículo IVECO Stralis Hi-Way, possui 560 hp e torque máximo de 2.500 Nm. Baseado nessa diferença observada fica fácil perceber que os motores destinados a equipar caminhões que estão no Dakar são desenvolvidos e preparados para esta competição e situação extrema da aplicação.

A linha de motores Cursor 13 traz como características a alta confiabilidade, robustez, potência e rápida resposta, além do respeito ao meio ambiente, presente na tecnologia Euro VI. A seleção da nova geração do motor Cursor 13, de 13 litros, com o hardware da versão Euro VI, permitiu a entrega de 900 cavalos de potência, com torque máximo de 4000 Nm a 1000 rpm. O propulsor com 6 cilindros em linha combina as mais avançadas tecnologias, incluindo a segunda geração do sistema de injeção HD Common Rail, que proporciona mais de 2.200 bar de pressão e garante força e potência para os caminhões.

Twin Turbo e Biturbo: diferentes ou semelhantes?

Carros turbos estão aí desde 1960, mas demorou certo tempo para que fizessem verdadeiro sucesso. Hoje, os turbos estão em todos os segmentos do mercado automobilístico e com isso começaram a surgir diversas discussões sobre Twin turbo e Biturbo.

O blog da FPT explica como entender a diferença – ou a semelhança – entre esses dois. Basicamente, o Twin (“Gêmeo”, em inglês) possui duas turbinas idênticas em forma e função, enquanto no Biturbo, as duas turbinas não são idênticas. Ou seja, Todo Twin Turbo é Biturbo, mas o Biturbo não é Twin.

As duas turbinas ajudam no ganho de grandes potências em curto espaço de tempo. Quanto maior o turbo, maior será a pressão de trabalho, mas também levará mais tempo até que o rotor vença a inércia e o turbo comece a comprimir o ar (o que chamamos de “encher o turbo”). Esse tempo é o chamado “turbo lag” ou “retardo no acionamento do turbo”. Para resolver esse inconveniente você pode usar um turbo menor, mas ele terá limitação física, podendo prejudicar o desempenho em altas rotações.

Hoje em dia já existem várias tecnologias desenvolvidas para redução do lag, mas, há 40 anos, quando os turbos começaram a ser adotados em carros de corrida e modelos esportivos de rua, a tecnologia ainda não era avançada o suficiente, então era impossível combinar lag reduzido a alta pressão e potência. Para obter uma alta pressão de trabalho e reduzir o lag, a solução encontrada pelos engenheiros dos anos 1970 foi adotar um sistema com dois turbos em vez de apenas um. E assim, chegamos aos famosos “Twin turbo” e “Biturbo”.

Agora já deu para entender a diferença entre os dois, certo?

Então compartilhe com seus amigos nas redes sociais.

Qual é o melhor óleo para o seu motor?

Pesquisas apontam que 75% do desgaste do motor ocorre no momento da partida. Isso porque, nesse pequeno intervalo, o motor trabalha a seco. Os motores funcionam a partir do movimento de peças e articulações das quais é composto. Enquanto estão em funcionamento, a todo tempo, há partes se movendo e causando atrito no contato umas contra as outras. Essa fricção converte a energia em calor. Para que esse contato não danifique por completo o motor, a lubrificação é de extrema importância e ainda ajuda a economizar energia e deixar o equipamento em boas condições de uso.

 

Na hora da partida, o lubrificante precisa fluir o mais rápido possível para desempenhar o seu papel e ajudar o funcionamento do motor.

Mas como saber qual é o melhor lubrificante?

 

Atualmente, existem vários óleos lubrificantes que, basicamente, ajudam o motor a rodar. A troca regular desse óleo é um dos processos mais importantes para garantir o bom desempenho de qualquer veículo – já que a lubrificação adequada atenua o atrito entre as peças dentro do motor.

 

Por isso, precisamos ficar sempre atentos ao estado de conservação dos componentes básicos do motor, procurando sempre entender quais produtos usar, entendendo como cada um atua, assegurando também o funcionamento pleno do motor e seus sistemas. Nesse momento, a dica básica (e sempre válida) é não deixar de seguir as recomendações do fabricante do veículo na hora da troca do óleo. É preciso observar, ainda, a viscosidade SAE do produto.

 

A viscosidade do lubrificante pode ser identificada na embalagem do produto e, normalmente, é apresentada assim: 0W-20, 5W-30, 10W-40, 15W40 entre outros. Estes números são relativos à viscosidade de produtos automotivos tanto na partida (com o W) quanto na temperatura de regime de trabalho do motor (sem o W), conforme regulamentado pela SAE – Sociedade dos Engenheiros Automotivos;

 

É muito importante utilizar produtos com viscosidade menor no momento da partida. É que o óleo perde um pouco a viscosidade com o calor, o que faz com que seja extremamente importante seguir as orientações recomendadas pela montadora. Quanto maior a numeração, mais viscoso é o óleo, e consequentemente, maior será a resistência à fluidez.

 

Você tem trocado o óleo do seu motor com frequência, em suas manutenções preventivas?

 

Saiba mais sobre o assunto em:

Cuide do seu motor FPT fazendo manutenções preventivas.

Materiais nobres para motores potentes

Você certamente já ouviu falar em titânio e DLC (ou Diamond-Like Carbon). Esses materiais são alguns dos escalados para compor os motores FPT, com a intenção de aumentar sua vida útil e trazer mais leveza ao dia a dia, além de aumentar a qualidade e conferir o melhor custo-benefício.

O DLC é uma variação de carbono, que possui algumas propriedades típicas do diamante. Normalmente, é utilizado como revestimento para outros materiais e, no caso dos motores, está presente conferindo mais resistência principalmente em balancins. Por ser 100% usado para indústrias, o DLC pode ser aplicado em grandes áreas e possui alta aderência em aços de baixa e alta liga.

Já as ligas de titânio apresentam propriedades importantes, principalmente para os motores. Elas possuem:

  • Baixa densidade;
  • Boa resistência mecânica à tração;
  • Excelente resistência à corrosão;
  • Relativa abundância na natureza (é o nono metal mais abundante).

Dessa forma, o titânio entra para aumentar a resistência a altas temperaturas. O trabalho a frio aumenta a resistência mecânica e, o aumento de temperatura de trabalho, que provoca rápida queda de resistência mecânica no alumínio, apresenta este efeito.

Essa tecnologia é usada em caminhões pesados, como o Iveco Stralis, e também em máquinas agrícolas e de construção no segmento off road.

E você? O que acha da utilização de materiais nobres na composição dos motores? Conte nos comentários.