Cursor 13 acelera o Rally Dakar 2019

Mais uma vez, a FPT Industrial é uma das protagonistas do Rally Dakar. Os quatro caminhões PowerStar, do time Petronas De Roy IVECO, estão equipados por um motor Cursor 13.

Nesta edição da competição, que é considerada uma das mais extremas do mundo, os caminhões irão cruzar o Peru em uma aventura épica: serão 5.000 km e dez etapas — que acontecem entre os dias 6 e 17 de janeiro — atravessando dunas, terrenos rochosos e arenosos. Toda a paisagem de natureza extrema tem papel decisivo na performance dos pilotos e das máquinas.

O Cursor 13 foi preparado para todos os desafios da competição, recebendo configuração diferenciada para oferecer excelente desempenho e absoluta robustez durante o percurso, entregando confiabilidade e até 1.000 cv de potência. 

O motor assegura alta densidade de potência e torque mesmo em grandes altitudes, mantendo a velocidade e oferecendo total controle e segurança para o piloto.

História

A história do Dakar é tão inusitada quanto a competição, que começou em 1977, quando o piloto francês Thierry Sabine se perdeu no deserto do Saara e viu ali uma oportunidade perfeita para promover um rali.

Ele foi batizado com este nome pelo trajeto, que iniciava em Paris, França, e terminava em Dacar, capital do Senegal, levando os pilotos a percorrerem 10 mil quilômetros. Desde 2009, o evento passou a acontecer na América do Sul, mas o nome foi mantido.

Estamos na 41ª edição da disputa, que é considerada uma das mais perigosas do mundo e expõe os pilotos a trajetos repletos de obstáculos no meio do deserto. É muita adrenalina, não é mesmo?!

Acompanhe nossas redes sociais para não perder nenhum momento do #Dakar2019!

Qual é o melhor óleo para o seu motor?

Pesquisas apontam que 75% do desgaste do motor ocorre no momento da partida. Isso porque, nesse pequeno intervalo, o motor trabalha a seco. Os motores funcionam a partir do movimento de peças e articulações das quais é composto. Enquanto estão em funcionamento, a todo tempo, há partes se movendo e causando atrito no contato umas contra as outras. Essa fricção converte a energia em calor. Para que esse contato não danifique por completo o motor, a lubrificação é de extrema importância e ainda ajuda a economizar energia e deixar o equipamento em boas condições de uso.

 

Na hora da partida, o lubrificante precisa fluir o mais rápido possível para desempenhar o seu papel e ajudar o funcionamento do motor.

Mas como saber qual é o melhor lubrificante?

 

Atualmente, existem vários óleos lubrificantes que, basicamente, ajudam o motor a rodar. A troca regular desse óleo é um dos processos mais importantes para garantir o bom desempenho de qualquer veículo – já que a lubrificação adequada atenua o atrito entre as peças dentro do motor.

 

Por isso, precisamos ficar sempre atentos ao estado de conservação dos componentes básicos do motor, procurando sempre entender quais produtos usar, entendendo como cada um atua, assegurando também o funcionamento pleno do motor e seus sistemas. Nesse momento, a dica básica (e sempre válida) é não deixar de seguir as recomendações do fabricante do veículo na hora da troca do óleo. É preciso observar, ainda, a viscosidade SAE do produto.

 

A viscosidade do lubrificante pode ser identificada na embalagem do produto e, normalmente, é apresentada assim: 0W-20, 5W-30, 10W-40, 15W40 entre outros. Estes números são relativos à viscosidade de produtos automotivos tanto na partida (com o W) quanto na temperatura de regime de trabalho do motor (sem o W), conforme regulamentado pela SAE – Sociedade dos Engenheiros Automotivos;

 

É muito importante utilizar produtos com viscosidade menor no momento da partida. É que o óleo perde um pouco a viscosidade com o calor, o que faz com que seja extremamente importante seguir as orientações recomendadas pela montadora. Quanto maior a numeração, mais viscoso é o óleo, e consequentemente, maior será a resistência à fluidez.

 

Você tem trocado o óleo do seu motor com frequência, em suas manutenções preventivas?

 

Saiba mais sobre o assunto em:

Cuide do seu motor FPT fazendo manutenções preventivas.

Você sabe quais os benefícios e propriedades do diesel?

O diesel é o combustível mais usado no Brasil. Derivado do petróleo, ele é utilizado principalmente na geração de energia que movimenta máquinas e motores de grande porte, como caminhões, ônibus, navios e máquinas de construção e agrícolas. Daí sua predominância e importância no país: ele é responsável por abastecer e movimentar o setor de transporte rodoviário que, por sua vez, é a principal atividade econômica brasileira. Por isso ele é responsável por alimentar parte dos motores FPT.

Sua densidade é de cerca de 0,853 kg/l, ou seja, 12% a mais que a gasolina. Quando queimado, cada litro oferece um valor energético de 35,86 MJ e libera 2,6 kg de CO2. Já sua produção, é feita a partir do refino do petróleo, pelo processo inicial de destilação fracionada, à temperatura entre 260°C e 340°C.

Na FPT, as seis famílias de motor diesel R22, F1, F5, NEF, CURSOR e VECTOR, apresentam soluções avançadas em tecnologia: arquitetura inovativa, sistemas de alimentação multi-válvulas, sistemas de injeção de alta pressão com controle eletrônico (Common Rail e, para algumas versões, Unidade Eletrônica de Injeção), sistema de pressurização eficiente com turbocompressores de geometria fixa ou variável, também duplo-estágio, e sofisticados sistemas de controle de emissões.

Classificações dos motores diesel 

De acordo com sua aplicação, ele pode ser classificado em:

– Extra Diesel Aditivado, que contém aditivos que mantém limpo o sistema de alimentação de combustível, além de reduzir o desgaste dos bicos injetores, aumentando a vida útil do motor;

– De referência ou diesel padrão, produzido especialmente para montadoras de veículos que utilizam o diesel como padrão para a homologação, ensaios de consumo, desempenho e teste de emissão;

– Metropolitano, utilizado nas regiões com maiores frotas em circulação, como capitais que necessitam de maior controle das emissões. Índice de enxofre: máximo de 0,05%;

– Interior, utilizado principalmente em regiões em que não há um grande fluxo de veículos. Índice de enxofre: 0,2%.