Final Dakar 2019: Saiba tudo sobre a performance da Equipe IVECO

Após 11 dias, dez etapas e milhares de quilômetros de competição intensa em um percurso desafiador, aconteceu a final do #Dakar2019 na última quinta-feira, dia 17 de janeiro.

As areias do Peru foram palco para o espetáculo de adrenalina do evento que é considerado o rali mais difícil do mundo.

Os veículos PowerStar, equipados com o Cursor 13, motorizaram o time Petronas De Roy IVECO. Mais uma vez, os motores mostraram toda sua confiabilidade, robustez e  segurança para cumprir sua missão em qualquer tipo de terreno e operação.

O Cursor foi adaptado especialmente para o rali. A customização ficou a cargo do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da FPT Industrial em Arbon, na Suíça. O resultado foi um motor de 13 litros com cerca de 1.000 cavalos de potência e desempenho inigualável. Toda essa dedicação e força bruta não poderiam dar em outra: a equipe IVECO, que obteve uma excelente performance em todo o percurso, conquistou o pódio e ficou entre os dez primeiros colocados da edição 2019.

Confira as colocações dos pilotos IVECO no pódio geral da edição:

3º lugar: Gerard De Rooy

Estrela do time, o piloto experiente, vencedor das edições de 2012 e 2016, retornou à competição no comando do veículo #503 e destacou-se em diversos estágios da disputa, alcançando a primeira colocação na sétima etapa. Gerard, que não deixou a peteca cair durante todo o percurso, ficou em terceiro lugar no pódio final do Dakar 2019.  

4º lugar: Federico Villagra

O argentino Federico Villagra foi um dos destaques do time IVECO desta edição a bordo do veículo #505. O piloto se manteve bem colocado em diversas etapas do rali, chegando na quarta posição, na terceira etapa, e na segunda posição, na oitava etapa. Após enfrentar com estilo toda a complexidade dos terrenos de difícil navegação, ele se classificou no quarto lugar do pódio final.

7º lugar: Anton Van Genugten

Com uma excelente performance durante toda a disputa, Anton van Genugten, que já havia se destacado na competição em 2018, levou momentos de emoção e adrenalina para a torcida do time IVECO. Na direção do veículo #509, o piloto rendeu momentos emocionantes para a edição. Ele abriu o placar como segundo colocado na primeira etapa e ficou em primeiro lugar na quinta etapa. O bom desempenho de Van Genugten nos cinco mil quilômetros de percurso fez com que ele garantisse o sétimo lugar no pódio geral.  

10º lugar: Maurik van den Heuvel

O holandês Maurik van den Heuvel estreou no time IVECO como um competidor implacável. O piloto, que se juntou ao time a convite de De Rooy, se mostrou um excelente companheiro de time, ajudando Gerard a continuar na prova durante a quarta etapa, quando os competidores não podiam contar com sua equipe de assistência.

Foram dias de muita dificuldade, persistência e força em todas as etapas da corrida. Novamente o Cursor deu um show de potência! O motor, que oferece alto desempenho e eficiência para aplicações de transporte como o IVECO Hi-Way, se revelou ainda mais bruto, mantendo uma performance extraordinária durante todo o trajeto.

Quem aí já está ansioso para a próxima edição do Dakar?

 

Cursor 13 acelera o Rally Dakar 2019

Mais uma vez, a FPT Industrial é uma das protagonistas do Rally Dakar. Os quatro caminhões PowerStar, do time Petronas De Roy IVECO, estão equipados por um motor Cursor 13.

Nesta edição da competição, que é considerada uma das mais extremas do mundo, os caminhões irão cruzar o Peru em uma aventura épica: serão 5.000 km e dez etapas — que acontecem entre os dias 6 e 17 de janeiro — atravessando dunas, terrenos rochosos e arenosos. Toda a paisagem de natureza extrema tem papel decisivo na performance dos pilotos e das máquinas.

O Cursor 13 foi preparado para todos os desafios da competição, recebendo configuração diferenciada para oferecer excelente desempenho e absoluta robustez durante o percurso, entregando confiabilidade e até 1.000 cv de potência. 

O motor assegura alta densidade de potência e torque mesmo em grandes altitudes, mantendo a velocidade e oferecendo total controle e segurança para o piloto.

História

A história do Dakar é tão inusitada quanto a competição, que começou em 1977, quando o piloto francês Thierry Sabine se perdeu no deserto do Saara e viu ali uma oportunidade perfeita para promover um rali.

Ele foi batizado com este nome pelo trajeto, que iniciava em Paris, França, e terminava em Dacar, capital do Senegal, levando os pilotos a percorrerem 10 mil quilômetros. Desde 2009, o evento passou a acontecer na América do Sul, mas o nome foi mantido.

Estamos na 41ª edição da disputa, que é considerada uma das mais perigosas do mundo e expõe os pilotos a trajetos repletos de obstáculos no meio do deserto. É muita adrenalina, não é mesmo?!

Acompanhe nossas redes sociais para não perder nenhum momento do #Dakar2019!

Importância do turbocompressor para os motores atuais

Essa semana tive um problema mecânico que me fez interromper a viagem, e infelizmente passei a noite no trecho aguardando socorro, e até o fechamento dessa coluna, ainda não tinham descoberto o que ocorreu com o caminhão.

Antes de ele apresentar pane, vindo a parar totalmente, o veículo veio perdendo força por alguns momentos, e nessa hora o turbo não acionava, deixando o motor “maçarico” (denominação para os motores não equipados com turbo), e foi aí que percebi de fato a enorme importância do turbocompressor para o bom desempenho do cargueiro.

Para quem não sabe como é o sistema e como funciona, o turbo, basicamente, é um equipamento constituído de um eixo e paletas envolvidos por uma concha e, que aproveita a passagens dos gases do escape, para injetar ar comprimido e com maior densidade através da força centrífuga, aumentando sensivelmente o desempenho do propulsor.

Muitos não sabem, não somente na potência que o turbo atua, mas também, auxilia na otimização da mistura ar/combustível, e com os atuais empregos de tecnologia nas novas gerações de turbocompressores, se tornaram peças fundamentais para a diminuição da poluição e consumo de combustível.

Por conta das características dos motores diesel, o emprego do turbo só trás vantagens e hoje praticamente não se encontram mais motores diesel sem turbo,  ao contrário dos motores a gasolina por exemplo, que dependendo da instalação, pode vir a comprometer o consumo e durabilidade do propulsor, no motor ciclo diesel esse problema não ocorre, ao contrário, esses fatores são melhorados, sendo assim fundamentais hoje em dia.

Outro exemplo claro da importância dele, é na nova geração de motores da FPT empregados na linha Iveco  Stralis 2017, onde entre diversas mudanças, o turbo recebeu modificações, para que os motores ganhassem aumento de potência e torque.

Com tudo isso, podemos notar a importância desse equipamento para os motores atuais não acham? Porém, cuidados são necessários para que ele tenha uma vida útil bastante produtiva. Cuidados com vazamentos de óleo lubrificante, limpeza do filtro de ar e combustível de melhor qualidade são ações de extrema importância para deixar o turbo em perfeitas condições e sempre disponível.

Então amigo caminhoneiro, se atente as condições do turbo equipado em seu caminhão para que não ocorram surpresas. No meu caso o problema não foi com ele, mas foi o suficiente para que eu percebesse a importância dele, mas se o problema for diretamente relacionado ao turbo, pode ser o fim da viagem, o atraso na entrega, o risco de estar quebrado no trecho.

Portanto, verifique as condições do equipamento e boa viagem.

Até a próxima.

Fonte: Blog da Iveco/Wagner Araújo.

Já são 30 mil motores GNV vendidos no mundo

A FPT Industrial, uma das maiores produtoras de motores industriais do mundo, tornou-se líder na Europa no mercado GNV ao alcançar neste ano a marca de 30 mil motores comercializados desde que estreou no segmento. Na América Latina, a FPT Industrial já possui clientes que utilizam a tecnologia para equipar veículos com aplicações dedicadas, bem como em ônibus urbanos.

Com um portfólio amplo para operação com GNV, a marca possui os motores F1C, N60 e Cursor 8, com performances de 100 kW (134 cv) e 350 Nm torque, a 243 kW (326 cv) e 1.300 Nm de torque. Todos aplicáveis em veículos comerciais leves, caminhões médios e pesados e em ônibus urbanos.

Em parceria com a Iveco, a FPT Industrial desenvolveu três veículos movidos a GNV que estão sendo testados. Em Porto Alegre, roda em testes o Tector 170E20G coletor de lixo equipado com o N60. Em São Paulo, outro Tector 170E20G AT coletor de lixo equipado com N60 GNV também está em fase de avaliação. Já na linha comerciais leves, ambos equipados com motores F1C, dois Daily GNV, um 35S14G na versão furgão e um Chassi Cabine para aplicação urbana, estão sendo testados em Minas Gerais e em São Paulo, respectivamente. Apesar de ser uma tecnologia recente no Brasil, os motores GNV já são amplamente utilizados em vários países ao redor do mundo.

As emissões da linha de motores GVN atendem ao limite atual para pesados no Brasil conforme a legislação PROCONVE P7 e atendem ainda ao padrão EEV (Enhanced Environmentally-friendly Vehicles), um limite de emissões europeu voluntário, entre Euro V e Euro VI, o qual demonstra que os motores são menos poluentes que os motores P7 produzidos e comercializados atualmente.